terça-feira, 15 de junho de 2010

Adoração em Movimento

Adoração em Movimento
Publicado em 6/3/2004



H. GUTHER FAGGION
Revista Eclésia - edição 99
Especialista em dança, a professora Isabel Diniz fala do valor da expressão corporal no louvor a Deus.

De uns anos para cá, um novo elemento litúrgico tem sido introduzido, com bastante aceitação, nos cultos e celebrações evangélicas - a dança. A expressão corporal, nas suas múltiplas formas e estilos, está deixando de ser instrumento usado apenas para evangelização - como naquelas tradicionais pantomimas encenadas por ministérios tipo Jocum - para ganhar força como forma de louvor e adoração congregacional. A tendência, diga-se, não surgiu por acaso. Ela explodiu a partir do sucesso do Ministério de Louvor Diante do Trono, grupo ligado à Igreja Batista da Lagoinha, em Belo Horizonte (MG). É lá que funciona o Mudança - Companhia de Dança e Artes Cênicas, que acompanha o grupo musical executando elaboradas coreografias durante as programações.

À frente do ministério de dança daquela igreja desde 1996, a professora Isabel Cristina Vieira Diniz é uma especialista no assunto. Formada em balé clássico, mestre em educação física e coordenadora dos cursos de artes cênicas e dança experimental da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), ela levou para os púlpitos uma arte que, durante muito tempo, foi considerada profana pelos evangélicos. Isabel fala com conhecimento de causa: "Os crentes sempre tiveram muito preconceito contra a dança, associando-a à carnalidade", diz. Ela mesma, quando se converteu ao Evangelho há 19 anos, pensou em abandonar a arte, embora fosse profissional.

"Toda minha referência de dança não condizia com a nova vida que eu tinha", lembra.

"Mas Deus começou a falar comigo e resgatou a dança na minha vida."

Desde então, Isabel vem se dedicando de corpo e alma - literalmente - ao que considera um ministério pessoal. O trabalho junto ao Diante do Trono mostrou-lhe que a dança, mais do que expressão pessoal de louvor, pode ser utilizada para promover edificação, crescimento espiritual e até cura divina. "Tenho tido experiências maravilhosas, presenciando a restauração de muitas vidas através deste trabalho." No livro Louvai a Deus com danças (Diante do Trono Publicações), em segunda edição, a artista procura demolir preconceitos e enfatiza o valor da expressão corporal no culto a Deus.

Casada com Eustáquio Diniz e mãe de três filhas - a família a acompanha no trabalho religioso -, Isabel está envolvida com diversos projetos artísticos voltados para o público evangélico. Um deles é o 4° Seminário Nacional de Dança no Louvor e na Adoração, programado para setembro em Belo Horizonte. "Sinto que há um enorme mover de Deus nesta área", entusiasma-se. Da capital mineira, onde vive e trabalha, a professora atendeu a reportagem de ECLÉSIA:

ECLÉSIA - Até que ponto a popularidade do ministério Diante do Trono contribuiu para a expansão da dança no meio evangélico?

ISABEL - Creio que o fato de Deus ter levantado e honrado o Diante do Trono com visibilidade e credibilidade nacional fortaleceu o que já vinha sendo feito através de muitos grupos. Está se consolidando um trabalho santo, de qualidade e comprometido com o Reino de Deus. Na verdade, já havia um mover de Deus na área da dança no Brasil. Hoje, a dança tem sido vista de outra maneira pela Igreja contemporânea, reduzindo sua desconfiança em relação a ela. Isso tem sido um referencial nas diversas áreas nas igrejas e na vida de muitos cristãos.


Justamente devido a esta popularidade, não existe o perigo de se disseminar um modismo?

É preciso enfatizar que a dança, na igreja, não pode ser uma moda. Há cuidados a serem tomados. Muitos têm trazido a dança do mundo para a igreja, o que cristaliza os preconceitos de carnalidade.


Qual é a ligação da dança com a carnalidade?

Nossa cultura ocidental é contaminada por valores e conceitos distorcidos sobre o corpo humano. Historicamente, o corpo, desde a Antigüidade grega clássica, é estigmatizado como prisão da alma. Essa visão é agravada com a idéia de corpo-pecado, pregada por teólogos da Idade Média. Ora, a matéria-prima da dança é o movimento, que por sua vez acontece em um corpo. Se meu conceito sobre o corpo humano é carregado da visão de pecado, com certeza tudo que for relacionado a esse corpo também estará impregnado pelos mesmos conceitos. Para complicar, a dança, no Brasil, sempre foi associada à sensualidade, sedução e vulgaridade.


Tais conceitos não prejudicam o uso da dança para fins espirituais?

Não. Acontece que nós vivemos uma realidade cultural muito complexa que, na maioria das vezes, é governada por preconceitos seculares inculcados diabolicamente, mascarando e distorcendo a verdade da Palavra e do que Deus planejou para nós. Isso afeta não só o ministério de dança, mas todo estilo de vida da Igreja contemporânea. Por outro lado, creio que vivemos um tempo profético em que Deus está resgatando o que é dele. Não a dança em si, mas o templo do Espírito Santo, que somos nós, com uma visão restaurada de corpo, de humanidade e de adoração, sem preconceitos mundanos. Os conceitos de Deus estão sendo reinstalados na cultura do crente contemporâneo.


O que dizer àquelas pessoas que consideram a dança como "coisa do diabo"?

Possivelmente, o tipo de dança que estas pessoas conhecem é do diabo mesmo. A dança secular tem se prestado a esse papel. Na verdade, o problema não é a dança em si - são as pessoas que dão lugar para que o diabo seja exaltado. Sei o que estou dizendo porque, no passado, eu já dei lugar para esse tipo de dança em minha vida. Eu não conhecia Jesus e, na minha ignorância, participei de manifestações culturais seculares como o carnaval. Também atuei profissionalmente em produções completamente contaminadas por princípios diabólicos.


Como foi que você começou a usar seu trabalho artístico no contexto religioso?

Dois anos depois de minha conversão, Deus me pediu separação, o que fiz em sofrimento porque amava a dança. Pensei que nunca mais voltaria a dançar. Quando me convidaram para trabalhar com o Mudança, achei um disparate: Dança na igreja? Achava que isso não era para mim. Afinal, toda minha referência de dança não condizia com a nova vida que eu tinha. Então, Deus começou a falar comigo e resgatou a dança na minha vida.


Até que ponto as técnicas e a espiritualidade de fundem no seu trabalho?

Particularmente, tenho buscado de Deus a dança que ele tem para mim, através de experimentos corporais em meus devocionais. Reconheço que em minha história motora aprendi muitas técnicas que têm traçado uma identidade cultual de movimentos em meu corpo, mas creio que o Senhor tem uma dança específica para a Igreja, uma "dança do céu", sobrenatural, com valores bíblicos, técnicas corporais próprias acopladas ao estilo do adorador ou do grupo de dança. Para compreendê-la e encontrar o ponto de equilíbrio entre as técnicas corporais é preciso haver discernimento e unção do Espírito Santo, sem os quais nada tem o menor sentido. De mim posso afirmar: eu sou do Senhor, fui restaurada e por isso a minha dança também é restaurada. Ela é de Deus e para Deus.


A dança não pode seguir o caminho da música cristã, que virou um espetáculo, comprometendo seu aspecto ministerial?

No Diante do Trono, temos uma posição muito definida em relação às ministrações: para nós, não existe o show, mas o culto a Deus. O que precisamos entender é que Deus não se emociona com nossa dança, nem com nossa música, muito menos com nossos talentos. Infelizmente, muitos irmãos ou irmãs têm confundido o real significado da dança na igreja. Esquecem-se de que, para nós, não existe palco. A síndrome secular de "artista", de "estrela", ainda paira no ar. Precisamos vigiar nossas motivações o tempo todo - não podemos, por exemplo, perder o foco de Deus. A dança nas igrejas não pode ser objeto de distração, mas de ligação com o Senhor. Em todos os aspectos e em todo o tempo, devemos vigiar nossa vida pessoal com Deus.


Como evitar, por exemplo, que manifestações corporais durante os momentos de louvor musical tirem a atenção das pessoas para o conteúdo das canções?

A dança é uma linguagem visual; o canto e a música são linguagens sonoras. Por isso, considerando a liturgia como uma coleção de formas ritualísticas que visa a adoração pública e o ensino na igreja, creio na possibilidade de uma unidade poderosa de todas essas linguagens na adoração. E, sendo uma linguagem visual, a dança é para ser vista mesmo. É para ser bênção e levar a igreja ao foco de Deus.


Mas nos cultos modernos, particularmente os de linha avivada, é comum os líderes de louvor estimularem o povo a levantar-se, erguer as mão, bater palmas c Isso não gera certo diversionismo no ato de adoração a Deus, que tradicionalmente era associado à contrição?

Acho que ocorre o contrário. Bater palmas, saltar, correr e até pular são manifestações corporais descritas na Bíblia como possibilidades de expressão profética em momentos de júbilo, guerra, celebração e intercessão. Às vezes, o irmão está lá no banco triste, tímido, sonolento ou distraído com outros pensamentos, ou preocupado com o trabalho; então o Espírito Santo orienta o ministro de louvor para movimentar a igreja com gestos ou com danças. Naquele momento, a pessoa pode ser tocada e cativada para a ministração e o mover de Deus.


Muitos trabalhos nesta área são feitos com bases extremamente amadoras e improvisadas, não?

No meu entender, uma das maiores dificuldades da dança nas igrejas está na falta de formação e informação, seja em que estilo for. Há igrejas que desejam iniciar um ministério de dança, mas não têm obreiros capacitados, técnica e didaticamente, para isso. Muitos consideram, por exemplo, que o balé clássico é a base de todas as danças, e isso não é verdade. Por causa deste conceito, muita gente se sente impossibilitada de dançar ou excluída do chamado para o ministério. Ou então realizam meras imitações de movimentos, sem compreenderem de fato as técnicas corporais que sustentam o balé, o que gera como produto uma caricatura da sua forma original. A excelência é muito importante - de um lado, é preciso ter uma vida no altar de Deus; de outro, um trabalho corporal de qualidade. No mundo secular, os artistas trabalham muito antes de se exporem. Na Igreja, não pode ser diferente: também precisamos nos instrumentalizar para oferecer ao Senhor o nosso melhor.


Entre os evangélicos, o uso da dança sempre esteve restrito ao evangelismo, especialmente de rua. Em que momento se deu a sua transposição para os púlpitos das igrejas?

Mas o púlpito não está restrito a espaços físicos e o evangelismo não se separa da adoração. Ambos estão intimamente relacionados ao amor que sentimos por Deus. As metas e as ações podem ser diferentes, mas a origem é a mesma - é o amor que se inicia no Senhor Jesus e se estende pelas vidas. Falamos de um estilo de vida cristão que pode se manifestar em qualquer lugar.


O fato de a dança ser algo estritamente visual, estético, não acaba gerando certo conflito na maioria dos evangélicos que são continuamente estimulados a se voltar para valores internos, da alma e do espírito?

Pois é, aqui vemos mais uma vez a cultura secular ocidental gritando dentro da Igreja. Mas precisamos analisar por duas perspectivas: a de quem ministra com a dança e a de quem é ministrado pela dança. Existe uma unidade existencial. Quando dançamos, estamos ali por inteiro - corpo, alma espírito -, mas o que é visível são os movimentos articulados de braços, pernas e cabeça. Mas os movimentos só acontecem porque são sustentados por ossos e músculos, os quais não se podem ver. Da mesma forma, não se pode ver o espírito nem a alma do dançarino - mas ambos estão lá, participantes da totalidade do existir humano. Não há como separá-los.


O que é ser "ministrado pela dança"?

O sujeito está ali também em sua totalidade, recebendo uma informação que passa pelo sentido da visão, mas cujo efeito é concreto na energia vital de sua existência. Nesse processo do receber de Deus, é possível uma separação entre o corpo biológico, as capacidades intelectuais, as emoções e o discernimento no Espírito? Não. Deus não nos salvou por partes - primeiro o espírito, depois as emoções e por último o feixe de músculos com sua caixa de ossos. Exatamente porque a dança trabalha com as sensações estéticas é que ela se materializa por meio da relação dialética entre objetividade e subjetividade, entre forma e conteúdo. Aqui se instaura um complexo sistema de relações em que o Espírito Santo age também por inteiro em nossas vidas. A dança é uma maneira ímpar de discipular, quebrar barreiras socioculturais e ensinar a Palavra. Ela gera cura da alma e de frustrações. Além disso, é um exercício físico que faz muito bem para a saúde qualquer um.


Que exemplos bíblicos você pode citar legitimando a dança como forma de louvor e adoração?

A dança desempenhou um papel importante na cultura hebréia. Ela era sempre era associada com a música e freqüentemente empregada em ocasiões de regozijo, como na passagem de Êxodo 15. Em I Samuel 18.6-7, vemos as mulheres do povo dançando e cantando após uma vitória militar de Davi sobre os filisteus. Mais adiante, em II Samuel 6, o próprio Davi dançou diante de Deus quando levava a arca da aliança para Jerusalém. No Novo Testamento, ainda na mesma perspectiva, há a citação da festa em celebração à volta do filho pródigo, narrada em Lucas 15.25. Alguns eruditos acreditam que inclusive na festa dos Tabernáculos as danças estavam presentes, diante da referências existentes nos salmos. Há, também, um texto de que gosto muito em Cantares de Salomão 6.13, que descreve um lindo diálogo entre o noivo e a noiva, em que ele diz: "Que formosos são teus passos dados de sandálias, ó filha do príncipe." Há outros textos, como em Jeremias 31.13, onde vislumbramos mais uma profecia sobre a dança: "Então, a virgem se alegrará na dança, e também os jovens e os velhos; tornarei o seu pranto em júbilo e os consolarei; transformarei em regozijo a sua tristeza."


Por que a dança evangélica contempla predominantemente estilos de músicas clássicas, em detrimento de ritmos mais brasileiros, como por exemplo o samba?

A música, na Igreja Evangélica brasileira, sofreu muita influência trazida por missionários americanos com seus hinários. Depois, outra influência significativa é a da música produzida e importada dos grandes institutos de formação para ministros de louvor e adoração, como o americano Christ for the Nations e o autraliano Shouth the Lord. Pessoalmente, gosto muito de trabalhar todos os ritmos, porque para mim quem os criou foi Deus. Claro que existe um temor compreensível das lideranças em relação ao uso de certos ritmos brasileiros na igreja, devido à sua associação com práticas corporais sensuais ou manifestações religiosas pagãs. Mas creio que muita coisa já está mudando, porque Deus está trazendo à realidade os seus projetos de restauração e retomando tudo o que é dele.


Na sua opinião, qual é o estilo que mais agrada a Deus?

Aprendi que Deus está acima da cultura, da arte, da ciência e de tudo o mais. O que importa mesmo é estar no centro da sua vontade em tudo o que fazemos. Penso que Deus não está preocupado com o estilo de dança que adotamos. O que devemos é buscar fazer o melhor, e esse melhor demanda santidade, compromisso, estudo, trabalho e dedicação. O tremendo é que Deus nos dá o livre arbítrio para escolher o estilo com o qual nos identificamos -(seja uma dança mais livre, seja o balé clássico, a dança moderna, o stret dance, o fiank, a dança hebraica, o country e tantos outros estilos. Há uma variedade de estilos e ritmos que podem ser usados na direção do Espírito Santo com ótimos resultados. Mas é preciso não perder de vista a direção de Deus e o significado da dança na Igreja.

fonte:http://www.jesussite.com.br/acervo.asp?Id=909

2 comentários:

  1. Aonde acho um local aqui em bh para aluguel de roupa de dança gospel?

    ResponderExcluir
  2. A Paz encontrei este site em uma pesquisa e gostei muito. Deus abenço grandemente continuem nesta visão.

    ResponderExcluir